Lira ocupando o espaço urbano

Um imenso muro de um terreno baldio ao lado do teatro virou uma grande painel para os artistas do Lira. Resgatamos alguns dos desenhos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em julho de 1982, o Lira começou a ocupar um imenso muro de um terreno baldio ao lado do teatro, quase esquina da Teodoro Sampaio com a Henrique Schaummann e de frente para a Praça Benedito Calixto, um dos pontos mais movimentados da região, transformando-o em um grande mural.

A cada dois meses, um artista plástico era convidado a ocupar o espaço, com temática totalmente livre, sendo obrigatório apenas a inserção de uma frase de Oswald de Andrade, que, de uma certa maneira, norteava toda a ação do Lira Paulistana:

A Felicidade do homem é uma felicidade guerreira. Viva a rapaziada! O gênio é uma grande besteira

Riba de Castro (criador e coordenador de produção do projeto), Edith Derdik, Fernando Uzeda, Carlos Matuk, Carlos Palma, Ricardo Seyssel, Carlos Alf, Sergio Dantas Miranda, Jacob Aarão e John Howard foram os artistas que mostraram seus trabalhos lá no muro da Teodoro, ao lado do ponto de ônibus.

* Texto extraído da edição especial de 30 anos do jornal Lira Paulistana – dezembro de 2009. Editor responsável: Fernando Alexandre G. da Silva

Comentários

comentários