Extra 4: os criadores do Lira Paulistana

Wilson Souto, Chico Pardal, Riba de Castro, Fernando Alexandre e Plínio Chaves. Conheça as histórias dos sócios do Lira

Chico Pardal, um dos sócios do Lira, relembra as histórias do teatro

Chico Pardal, um dos sócios do Lira, relembra as histórias do teatro

Quem frequentou o Lira Paulistana ou quem pesquisa sobre a música do início dos anos 80 sabe, certamente, fazer uma lista com inúmeros nomes de artistas que passaram pelo teatro mais badalado da cultural alternativa de São Paulo. Porém, tão importante quanto os músicos, cantores, atores e escritores que mostraram sua arte no Lira, são os criadores e sócios do teatro.

A carência por espaços onde artistas e músicos pudessem se apresentar naquela época foi a dica para que Wilson Souto resolver procurar um local para construir um pequeno teatro. O local escolhido foi um porão na rua Teodoro Sampaio. O espaço, que era bem próximo à Praça Benedito Calixto, precisou de seis meses de reforma.

A primeira experiência, segundo Couto afirma no extra do documentário Lira Paulistana e a Vanguarda Paulista, dirigido por Riba de Castro, aconteceu ainda durante o período de obras no espaço. A banda que topou testar o local foi o grupo Taracón. Depois, o diretor Mário Mazetti procurou o Lira para ensaiar o musical É fogo paulista, que inaugurou de fato o Teatro do Lira.

Riba de Castro juntou as história da turma do Lira no documentário

Riba de Castro juntou as história da turma do Lira no documentário

A primeira aventura veio com a possibilidade de produzir um disco de Itamar Assumpção. O Wilson falou: vamos encarar essa? “Cada um entrou com uma parte”, conta Chico Pardal, um dos sócios, que dividiu a empreitada com Wilson e Plínio Chaves, outro sócio.

No vídeo, Fernando Alexandre, conta como surgiu a ideia de montar um jornal. “São Paulo era muito mais do que os jornalões davam. Tinha outra cara, diz. O Jornal Lira Paulistana foi o pioneiro em trazer um amplo guia de atividades culturais da cidade de São Paulo.

Riba de Castro, outro sócio e diretor do documentário Lira Paulistana e a Vanguarda Paulista, fala sobre o apoio que os artistas encontravam no Teatro do Lira. Havia iluminador, técnico de som, bilheteria, divulgação e material gráfico. “Formamos uma equipe de forma natural, com a vantagem de que cada um dominava uma área”.

plinio

O vídeo ainda traz uma homenagem a Plínio Chaves, o único dos ex-sócios do Lira que já morreu. Riba dedica seu documentário ao amigo e companheiro de sonhos.

Assista ao extra do DVD Lira Paulistana e a Vanguarda Paulista:

Comentários

comentários